Tequila: o México como ele realmente é

“Me enloquece demais!” ou “É f…, chapa mesmo!”, essas são reações bem comuns quando  a palavra tequila surge na conversa. Se alguém chega com meia dúzia de shots, começa algo que mais parece uma sessão de exorcismo, cheia de caretas, grunhidos e gritos. Seu ritual é seguido à risca nos 4 cantos do mundo, algo como um traço cultural multiétnico. Você já parou para se perguntar por que parece ter um efeito mais rápido e potente do que outras bebidas? Ou, por que se bebe com sal e limão? Para procurar a resposta para essas e outras perguntas, fui até o México conhecer, in loco, as origens, histórias e, logicamente, receitas da bebida símbolo do país. Veja no vídeo como foi e abaixo o que aprendi! Arriba paisano!

O que é Tequila?
Para começar a responder essa pergunta, precisamos entender do que ela é feita: o agave azul. O miolo desta planta, que parece um cacto mas na verdade é da família do lírio,  é cheio de lipídios tal qual uma batata. Seu “coração” é cozido e depois espremido para que libere o néctar resultante do cozimento. Após fermentada, essa espécie de mel é destilada e o álcool resultante desse processo é o que conhecemos por tequila.

O agave azul em seu habitat natural ao fundo e em primeiro plano uma pinha jimada e cortada ao meio.

Assim como Champagne e os vinhos Bordeaux, possui denominação de origem: só pode ser chamada de tequila a bebida produzida com pelo menos 51% de açúcares provenientes de plantas de agave azul. Tanto a matéria-prima quanto o produto final devem ser produzidos no estado de Jalisco. A região tem clima e temperatura ideais para seu crescimento, atingindo o ápice de seu potencial produtivo e de qualidade entre 7 e 10 anos. Originalmente todas as tequilas eram misturas do mel de agave azul com o de outros agaves. Uma vez que o azul requer um grande tempo de maturação, isso impactava diretamente no tempo e quantidade de produção e, consequentemente, na arrecadação de impostos sobre a bebida.

Pinhas de agave azul prestes a serem cozidas em uma das fábricas da José Cuervo


Tipos de tequilas

Tequilas diferenciadas na "pós-produção"

Após destilada  a tequila é armazenada em barris de carvalho.O tempo que fica neles e o tratamento que recebe até ser engarrafada é o que determina como ela será:

  • Prata (ou blanco): é a “branquinha” mexicana. Ao sair do pot still (destilador) é um pouco agressiva, por isso fica até 60 dias em ernomes barris de inox para serem feitas homogenizações de seus componentes alcoólicos e correções de sabor, normalmente com água. É a mais indicada para cocktails frutados por ter o puro sabor do agave.
  • Ouro (ou Jovem): essencialmente um blend de tequila prata com reposados, añejos ou extra-añejos. É a mais categoria conhecida e vendida do mundo. Ao contrário do que muita gente pensa não é de má qualidade. Sua diferença está no fato de conter outros açúcares que, como já dito nesse post, tinha motivos econômicos. Essa é a tequila original que se fabrica no México há 450 anos. Podem ter adição de essência de caramelo, extrato de carvalho ou glicerina natural feita a partir de calda de açúcar para padronizar o sabor, já que tem fontes variadas de açúcares.
  • Reposado: fica pelo menos 2 meses repousando em barris de carvalho para suavizar o álcool. As notas de madeira misturadas  às de agave dão a esta categoria uma robustez maior de sabor. Excelente para ser tomada pura em shots por ser mais marcante. A tequila mais consumida no México, José Cuervo Tradicional, é uma reposado feita com 100% agave azul. Adapta-se muito bem ao paladar dos mexicanos, acostumados com  sabores picantes.
  • Añejo (envelhecida): segundo a norma reguladora é a tequila que passa no mínimo um e no máximo 3 anos envelhecendo em barris de até 600 litros. Na Cuervo em 99% dos añejamentos usa-se o barril padrão de bourbon ou de conhaque com capacidade de 225 litros. Esse processo torna-a mais suave, proporciona uma coloração âmbar e aroma e sabor mais complexos.
  • Extra-añejo (extra-envelhecida):  tequila com mais de 3 anos de envelhecimento em barris de carvalho. Por passar todo esse tempo recebendo influência da madeira, torna-se mito mais suave, da cor de mogno e com características sensoriais completamente distintas. Sua textura na boca lembra os melhores whiskies e conhaques, tamanha a distinção adquirida.

 

“Me deixas louca”
Agora que já sabemos bastante sobre tequila, você ainda deve estar se perguntando como isso tudo influencia na forma como ela “pega”.   Possui 0 mesmo teor alcoólico da maioria dos destilados, entre 38% e 40%, não pode ser esse o motivo. Seria por que o álcool vem do agave, essa planta pra lá de estranha? Também não, afinal depois da fermentação e destilação, ele tem a mesma composição química seja qual for sua origem.

O que o deixa mais louco após alguns shots é exatamente essa forma de ingestão. Ao tomar uma vodka com energético, a dose é diluída. Um whisky com gelo, a mesma coisa. Ao beber tequila 40% de seu copo é álcool etílico, por isso poucas doses fazem um grande estrago: são ingeridas de forma concentrada. Qualquer destilado puro faz o mesmo estrago. É importante beber muita água, assim você fornece a matéria-prima necessária para o fígado quebrar todas as moléculas de álcool em insulina sem ficar desidratado. Consequentemente ainda dilui o álcool dentro do organismo e seu efeito é ligeiramente retardado.

 

Limão e sal
No México estes dois elementos são muito presentes e muito associados à tequila das mais variadas formas. Tomei um Moxito, versão mexicana do Mojito cubano, feita com tequila e sal. Cantarito, drink tão típico quanto a margarita, leva frutas cítricas, refrigerante de grapefruit e sal. No caso da tequila “straight” o limão e o sal tem outra função que simplesmente complementarem o sabor: eles ajudam a desencadear uma reação em nossas papilas gustativas. O sal é usado para dar amplitude à nossa percepção, porque abre as papilas e faz com que sintamos mais intensamente o sabor de qualquer alimento que o contenha na medida certa. Já o limão faz exatamente o contrário: sua acidez fecha as papilas. Ao engolir um pouquinho de sal, tomar a tequila e chupar uma pequena fatia de limão, fazemos com que a bebida fique presa nas papilas, curtindo por muito mais tempo seu sabor.

Calor intenso regado à Cantaritos em seus tradicionais copos de barro.

 

Condições Normais de Temperatura e Pressão
Depois de tomar tequila com os mexicanos percebi que no Brasil o fazemos de uma forma muito ligada a estereótipos e crendices populares sem o menor sentido. Por que na Escócia bebe-se whisky sem gelo? Pelo mesmo motivo que na Rússia a vodka vai da prateleira pro copo: porque são países frios e, dentre outras utilidades, a bebida aquece. Em um país tropical como o Brasil, não temos tanta necessidade de nos aquecer bebendo, exceto na região sul.

Logo, é surreal beber qualquer coisa “cowboy”.  Se não queremos que a bebida nos aqueça, não devemos tomá-la quente. Essa é a forma como bebe-se tequila no México: mesmo que você a tome pura, é gelada. Ao pedir uma garrafa em um restaurante, ela veio exatamente como as cervejas nos butecos por aqui”num balde cheio de gelo. Não altera o sabor e o fato de não entrar “rasgando goela a baixo” faz com que você consiga tomar muito mais, já que não há o desconforto da queimação do álcool aliada ao calor.

Eu e meu parceiro de copo, @gui_jotape do @botecagem. Quando nem havíamos bebido.

Agora que vocês sabem um pouco mais sobre a tequila e suas origens, que tal compartilhar conosco aqui nos comentários as suas histórias, dúvidas, receita e curiosidades com a “marvada mexicana”?  Assim vocês podem ajudar outros amigos leitores e ao Mundo Copo a criar novos conteúdos legais como esse!

Se você quiser saber mais sobre essa viagem só navegar pela tag mundocuervo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Pingback: Aprenda a fazer uma Margarita de Morango em 1 minuto | Mundo Copo()

  • Arriba, abajo, al centro e adentro!

  • Anônimo

    rapaz o Junior Wm ensinou uma cerveja turbinada com tequila uma vez, assim que vi eu fiz, pow, é muito bom, eu aconselho, Grande mestre!

  • Muito bom esse post esclareceu umas dúvidas minhas. Eu dou a sugestão de fazer um post falando sobre algumas marcas de tequila em quesito qualidade e origem histórica, uma vez que pouco se sabe sobre qual tequila é boa ou não aqui no Brasil, além de muitas das marcas de tequila terem uma tradição de mais de 200 anos : )

    • juniorwm

      Muito obrigado pela dica, Vladimir! Já estamos produzindo um guia de diversas bebidas, quando chegar o capítulo de tequila você vai amar!

  • Pingback: National Tequila Day nos EUA: veja como comemorar por aqui | Mundo Copo()

  • paulo

    Rapaz tem um esqueminha q vc coloca o shot dentro de um copo maior e completa com cerveja bem gelada e vira misturando apenas na boca as duas bebidas gostei bastante se chama submarino

  • Pingback: My Homepage()

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
%d blogueiros gostam disto: